Terras indígenas têm alta de 74% no desmatamento; área mais afetada protege povo isolado Cinco territórios com mais perda de floresta estão no Pará. Atualização do Inpe mos
28/11/2019 09:00 em Diversas

Terras indígenas têm alta de 74% no desmatamento; área mais afetada protege povo isolado

 

Cinco territórios com mais perda de floresta estão no Pará. Atualização do Inpe mostra que desmate passa de 10 mil km² em todo o país.

 

 

Os territórios indígenas tiveram 423,3 km² desmatados entre agosto de 2018 e julho de 2019, um total 74% maior do que o verificado no mesmo período anterior (242,5 km²), segundo análise do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

 

A terra Ituna/Itatá, localizada no Pará, é a mais afetada pelo desmatamento no Brasil, de acordo com dados oficiais. A área no topo do ranking do desmate abriga um povo isolado. Ela teve 119,92 km² de floresta suprimidos, o que corresponde a 28,33% de todo o desmate nas áreas indígenas do país.

 

Balanços oficiais de desmatamento da Amazônia confirmam dados de sistema de alerta; entenda

Desmatamento na Amazônia cresce quase 30% entre agosto de 2018 e julho de 2019, diz Inpe

O Prodes, que apresenta a taxa oficial de desmatamento na Amazônia Legal, divulgou na segunda-feira (18) seu balanço anual: 9.762 km² de desmate. Nesta segunda-feira (25), a taxa foi revisada para 10,1 mil km² – ela ainda deve ser refinada outras vezes até a divulgação do balanço final, o que deve ocorrer em 2020.

 

Terras indígenas mais desmatadas entre 2018 e 2019

Ituna/Itatá (Pará) - 119,92 km²

Apyterewa (Pará) - 85,25 km²

Cachoeira Seca (Pará) - 60,20 km²

Trincheira Bacajá (Pará) - 34,62 km²

Kayapó (Pará) - 20,04 km²

Munduruku (Amazonas e Pará) - 18,28 km²

Karipuna (Rondônia) - 10,82 km²

Uru-Eu-Wau-Wau (Rondônia) - 10,81 km²

Manoki (Mato Grosso) - 4,55 km²

Yanomami (Roraima) - 4,17 km²

Mesmo com a alta em relação ao ano anterior, as terras indígenas representam 4% do total que foi desmatado. As cinco primeiras mais atingidas no país estão no Pará, o que representa 75% do que foi desmatado em todos os territórios indígenas. Juntas, essas cinco terras perderam 320,03 km², área um pouco maior do que a da cidade de Fortaleza.

Desmatamento em terras indígenas
Dados contabilizados em km²
366,2366,2289,3289,3204,8204,8195,9195,9132,7132,7140,7140,784,884,869,369,399,599,5123,5123,5242,5242,5423,3423,3200820092010201120122013201420152016201720182019050100150200250300350400450
2012
132,7
Fonte: Prodes/Inpe

Ituna/Itatá

A terra indígena Ituna/Itatá está localizada na bacia do Rio Xingu, mesma região da Área de Proteção Ambiental Triunfo do Xingu, que é a área protegida mais afetada da Amazônia neste ano – veja abaixo a lista de unidades de conservação desmatadas.

 

Desmatamento dispara no Xingu, um dos últimos 'escudos' da Amazônia

Com um povo isolado, a Ituna/Itatá fica próxima à cidade mais desmatada do país, Altamira, que perdeu 575,2 km². Em março deste ano, uma estrada ilegal foi detectada pelo Instituto Socioambiental (ISA), organização não governamental que atua na proteção dos povos indígenas da região.

 

Ituna/Itatá é uma área com restrição de uso para proteção dos índios isolados (sem contato com o homem branco) e não pode ser usada para fins comerciais.

 

Ainda de acordo com o ISA, 87% da terra é sobreposta a registros irregulares do Cadastro Ambiental Rural (CAR), sistema de regularização fundiária do país. Isso significa que pessoas tentam registrar áreas da terra indígena como propriedades particulares, o que é ilegal. Tanto terras indígenas como áreas de conservação pertencem à União e não podem ser repartidas ou vendidas.

 

Em agosto, uma equipe do Ibama foi alvo de tiros por parte de garimpeiros durante uma fiscalização na região. Os servidores estavam acompanhados de policiais federais e da Força Nacional, que revidaram aos tiros. Ninguém ficou ferido, e os criminosos se esconderam na mata. Os agentes destruíram duas escavadeiras e três motores usados no garimpo.

Agentes da Polícia Federal revidaram a tiros em operação do Ibama na terra indígena Ituna/Itatá (Pará), em agosto deste ano — Foto: REUTERS/Nacho Doce

Karipunas

Depois dos territórios paraenses, os de Rondônia estão entre os mais afetados. A terra indígena Karipuna, além de estar entre as 10 mais desmatadas, é a mais ameaçada pelas queimadas no país. O G1 esteve no local em outubro e denunciou que o posto da Funai localizado dentro do território foi queimado e depredado.

 

Na terra indígena mais ameaçada do Brasil, base da Funai é destruída, e ninguém sabe quem cometeu o crime

O povo foi ameaçado de genocídio e tem pouco mais de 20 integrantes na aldeia. Em um raio de 5 quilômetros ao redor do território, os karipunas juntam a maior quantidade de focos de calor do ano, com fortes queimadas nos municípios ao redor, Porto Velho e Nova Mamoré.

 

O atual índice de desmatamento compreende áreas desmatadas no 2° semestre do ano passado, ainda sob a gestão do então presidente Michel Temer, e neste 1º semestre, já na gestão de Jair Bolsonaro.

 

Pesquisadores, setores da Igreja Católica e ambientalistas estão preocupados com a relação do atual governo com os indígenas e temem que o desmatamento aumente. A liberação da mineração e a agricultura em terras indígenas é discutida pelo governo por determinação do presidente Jair Bolsonaro, defensor da ideia. O presidente também já declarou ser contra a demarcação de terras indígenas.

 

Mineração e agricultura em terras indígenas; veja em 7 pontos o que é ou não permitido

 

O atual índice de desmatamento compreende áreas desmatadas no 2° semestre do ano passado, ainda sob a gestão do então presidente Michel Temer, e neste 1º semestre, já na gestão de Jair Bolsonaro.

 

Pesquisadores, setores da Igreja Católica e ambientalistas estão preocupados com a relação do atual governo com os indígenas e temem que o desmatamento aumente. A liberação da mineração e a agricultura em terras indígenas é discutida pelo governo por determinação do presidente Jair Bolsonaro, defensor da ideia. O presidente também já declarou ser contra a demarcação de terras indígenas.

 

Mineração e agricultura em terras indígenas; veja em 7 pontos o que é ou não permitido

 

Áreas preservadas

O Inpe também divulgou as áreas preservadas – Unidades de Conservação (UCs) estaduais, federais e Áreas de Proteção Ambiental (APA) – que mais perderam floresta entre 2018 e 2019. Ao todo, foram 1 mil km² de desmatamento nestes territórios, ou seja, foram perdidas áreas verdes equivalentes a três cidades de Fortaleza em lugares que deveriam ter desmatamento zero.

 

Áreas da Amazônia que deveriam ter 'desmatamento zero' perdem 6 cidades de SP em três décadas

UCs e APAs mais afetados:

Área de Proteção Ambiental Triunfo do Xingu - 435,95 km²

Floresta Nacional do Jamanxim - 100,70 km²

Reserva Extrativista Jaci-Paraná - 94,22 km²

Reserva Extrativista Chico Mendes - 74,48 km²

Área de Proteção Ambiental do Tapajós - 66,69 km²

Estação Ecológica da Terra do Meio - 32,93 km²

Reserva Extrativista Rio Preto-Jacundá - 22,48 km²

Floresta Nacional de Altamira - 21,03 km²

Área de Proteção Ambiental do Lago de Tucurui - 19,39 km²

Reserva Biológica Nascentes Serra do Cachimbo - 14,46 km²

Assim como as terras indígenas, as áreas protegidas mais afetadas estão majoritariamente no Pará e em Rondônia. Mais de 43% do que foi perdido de floresta estava na Área de Proteção Ambiental Triunfo do Xingu. Em comparação com o mesmo período de 2017/2018, as unidades de conservação perderam 30% mais área de floresta.

Desmatamento em áreas protegidas
Áreas em km²
798,8798,8567,8567,8513,2513,2351,7351,7327,7327,7406,8406,8447,5447,5579,1579,1844,1844,1640640764,8764,81.0361.036200820092010201120122013201420152016201720182019010020030040050060070080090010001100
2012
327,7
Fonte: Prodes/Inpe

 

 

Por Carolina Dantas, G1

 

28/11/2019 06h40  Atualizado há uma hora

 

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!